Notícias

Receita Federal publica novas alterações no RERCT (JOTA)

20 de outubro de 2016

Receita Federal publica novas alterações no RERCT

Por Breno Ferreira Martins Vasconcelos
Sócio do escritório Mannrich, Senra e Vasconcelos Advogados. Mestre em Direito Tributário pela PUC-SP. Pesquisador e Professor da FGV Direito SP.

Por Josy de Oliveira Almeida
Advogada do escritório Mannrich, Senra e Vasconcelos Advogados. Pós-graduada em Direito Tributário pela GVlaw. Graduanda em Ciências Contábeis pela FIPECAFI.

Por Thais Romero Veiga
Advogada do escritório Mannrich, Senra e Vasconcelos Advogados. Pós-graduada em Administração de Empresas com foco em gestão tributária pela FIPECAFI. Graduanda em Ciências Contábeis pela FIPECAFI.

 

A Receita Federal publicou hoje a Instrução Normativa nº 1.665, alterando a IN nº 1.627/16, que dispõe sobre o Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária (“RERCT”), para modificar três pontos do regime. Este texto trata objetivamente dessas alterações.

A primeira mudança é a extensão, até o dia 31/12/2016, do prazo para a retificação da declaração de imposto de renda da pessoa física (“DIRPF”) relativa ao exercício de 2015, ano-calendário de 2014, em cuja ficha de bens e direitos devem ser indicados os ativos informados na Declaração de Regularização Cambial e Tributária (“Dercat”).

É que, após a transmissão da Dercat, os bens e direitos nela informados devem ser também indicados na DIRPF, por meio de declaração retificadora, de modo a incorporá-los ao patrimônio do contribuinte. O prazo para essa providência tinha a mesma data-limite para a transmissão da Dercat, ou seja, 31/10/2016.

Importa destacar, contudo, que a prorrogação de prazo para a retificação de DIRPF não engloba a “benesse” concedida pelo art. 4º, §7º da Lei nº 13.254/16 e reproduzida pelo art. 15 da IN nº 1.627/16. Esses dispositivos permitem o pagamento, com os benefícios da denúncia espontânea (isto é, sem o recolhimento de multa de mora), do imposto de renda devido sobre os “rendimentos, frutos e acessórios” percebidos a partir de 1/1/2015 e decorrentes do aproveitamento dos bens regularizados, “se as retificações necessárias forem feitas até o último dia do prazo para adesão ao RERCT”. Ou seja, o contribuinte que quiser se beneficiar da denúncia espontânea nessa hipótese deverá retificar suas DIRPF até 31/10/2016.

A segunda alteração diz respeito ao envio de informações pelos bancos estrangeiros a uma instituição financeira autorizada a funcionar no Brasil via Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication (“SWIFT”), providência exigida pela Lei nº 13.254/16 para a regularização de ativos financeiros não repatriados, em valor superior a USD 100.000,00 (cem mil dólares). Com a nova IN, o prazo para envio do SWIFT pela instituição estrangeira passa a ser o dia 31/12/2016. É muito importante, porém, chamar a atenção para um detalhe: o contribuinte deve autorizar e solicitar, até 31/10/2016, o envio dessas informações.

Além das alterações acima mencionadas, cumpre também destacar a nova previsão que agora integra o § único do artigo 29 da IN 1.627/16, de que o contribuinte deverá ser intimado para prestar esclarecimentos antes da prolação de eventual despacho decisório excluindo-o do RERCT. Entendemos louvável essa inovação porque compatibiliza o regime de regularização às regras vigentes que garantem o contraditório e ampla defesa também na esfera administrativa.